Seminário de Consórcios do Caparaó em Vitória – ES

Tecnologia a favor do Licenciamento Ambiental
1 de Fevereiro de 2018
Reunião de Colegiado Estadual de Gestores Municipais de Meio Ambiente – CEGEMA
7 de Fevereiro de 2018

O Cimvi (Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí) estava presente no I Seminário de Consórcios do Caparaó e o Futuro das cidades, em Vitória/ES, o evento, na Câmara Municipal do município de Ibatiba, discutiu alternativas na área de licenciamento ambiental para os 11 municípios que compõem o Consórcio Caparaó.
A abertura do seminário às 14h com a presença do vice-governador César Colnago, do senador Ricardo Ferraço e de deputados estaduais e federais. Também participarão do evento representantes dos munícipios de Alegre, Divino de São Lourenço, Dores do Rio Preto, Guaçuí, Ibatiba, Ibitirama, Irupi, Iúna, Jerônimo Monteiro, Muniz Freire e São José do Calçado.
“O interesse do Consórcio é fortalecer a união entre os municípios da região e, ao mesmo, tempo implantar uma cultura de administração consorciada entre as cidades, como forma de reduzir custos e ampliar serviços públicos. Esse modelo está dando certo no sul do Brasil e pode ser implantado aqui também”, destacou o presidente do Consórcio Caparaó e prefeito de Ibatiba, Luciano Pingo.
O Governo do Estado foi um dos parceiros na realização do seminário, trazendo uma experiência de sucesso do Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí (CIMVI), em Santa Catarina. Fernando Tomaselli, diretor executivo do CIMVI e Sandra Regina Batista, gestora ambiental, realizaram uma palestra em que mostraram a realidade do consócio no Sul do país. Sandra Regina demonstrou o trabalho realizado com 14 municípios catarinenses na área de licenciamento ambiental, que de forma coletiva, fazem o gerenciamento dos resíduos sólidos, o licenciamento ambiental e a gestão turística da região.
“o que me chamou a atenção no Espírito Santo foi o apoio relevante do governo do estado em fomentar o licenciamento ambiental através dos municípios, e fortalecer os consórcios para exerceram esta função. Claro que isso exige uma estruturação de equipamentos e de pessoal. A alternativa é trabalhar de forma consorciada, ou seja, os municípios se unem, em consórcio, para buscar resolver problemas em comum. Salientou Fernando Tomaselli.